domingo, 10 de junho de 2018

GOVERNO DO AMAZONAS INVESTE MAIS DE R$ 40 MILHÕES EM PARINTINS E NO FESTIVAL FOLCLÓRICO


Orsine Júnior presidente de Amazonastur (Fotos: Aguilar Abecassis e Roberto Carlos)


Em 2018, o Governo do Amazonas vai investir mais de R$ 20 milhões diretamente no Festival Folclórico de Parintins, sendo R$ 3,5 milhões no trabalho de manutenção e reforma do Bumbódromo, que esse ano festeja 30 anos de sua construção. Além disso, mais R$ 20 milhões serão destinados para a recuperação do sistema viário do município, perfazendo quase 40 quilômetros de obras.

De acordo com o presidente da Empresa Estadual de Turismo do Amazonas (Amazonastur), Orsine Junior, o governador Amazonino Mendes, na sua política pública de incentivo ao turismo e aos grandes eventos do estado, retorna a Parintins com um investimento merecido ao Festival Folclórico. Foi no primeiro governo de Amazonino Mendes (1987-1990) que as obras do Bumbódromo de Parintins tiveram início.

No total de investimentos diretos no Festival Folclórico, R$ 3,8 milhões serão destinados para a parte operacional e logística do festival, como sonorização, iluminação e segurança do Bumbódromo, nos dias 29 e 30 de junho e 1º de julho. Os bois-bumbás Caprichoso e Garantido receberão, cada um, montante de R$ 2,5 milhões do Governo do Estado para a produção do Boi de Arena.

Segundo Orsine Junior, as agremiações também irão receber uma verba adicional para o cumprimento de algumas demandas judiciais e acordos trabalhistas. “O governador Amazonino Mendes quer que os bois fiquem limpos e resolvam essa questão definitivamente. Vamos abrir uma mesa de negociações após o festival para tentar equacionar esse problema e que isso não volte mais a prejudicar o festival”, explicou o presidente da Amazonastur.

Entre as novidades desse ano, de acordo com Orsine Junior, está o incremento das festividades que acontecem em paralelo ao Festival de Parintins, como a famosa Festa dos Visitantes, que este ano volta com força total. “Todo esse investimento significa um maior fluxo de turistas e geração de emprego e renda na cidade. Trata-se de um investimento alto, mas com um retorno alto também. Isso deve gerar um montante de aproximadamente R$ 70 milhões diretamente na economia de Parintins”, destaca Orsine Junior.

Patamar internacional – Segundo dados da Secretaria Municipal de Turismo de Parintins,o fluxo de turistas na cidade deve aumentar esse ano. Com mais de um mês antes do início do festival, a rede hoteleira da cidade já está com 70% de ocupação. Além disso, mais de 60% dos ingressos para as três noites do festival já foram comercializados.

“O Governo do Estado retorna com a pujança do festival e brinda o aniversário de 30 anos do Bumbódromo com esse investimento. Trata-se de uma festa importantíssima para o nosso turismo, um dos cartões postais do Amazonas. O povo de Parintins está muito feliz com essa retomada”, observa o presidente da Amazonastur.

A Operação Parintins 2018 vai envolver 15 secretarias estaduais, com mais de 1.200 servidores. Somente na área da segurança pública, que incluí Polícia Militar do Amazonas e Corpo de Bombeiros do Amazonas, serão 500 servidores atuando no festival.

Segundo Orsine Junior, a ação do Governo do Estado começou bem antes do festival, com o trabalho de treinamento do pessoal envolvido na recepção dos turistas em Parintins, além de uma ampla divulgação da festa durante a participação do Amazonas em importantes feiras de turismo nacionais e internacionais.

“Nós estamos recebendo solicitações de várias entidades e jornalistas de todas as partes do mundo, como Holanda, México, Canadá e EUA, interessadas em promover o festival. O governador Amazonino Mendes conseguiu em pouco tempo colocar o Festival de Parintins novamente no patamar internacional”, destaca Orsine Junior.

Infraestrutura – Entre as obras de infraestrutura programadas para Parintins, por meio da Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra), está a recuperação do sistema viário da cidade. O trabalho será executado em 13 bairros da sede do município, com ações previstas também na extensão urbana das estradas do Aninga, Parananema e Eduardo Braga. Ao todo, serão 39.380,11 metros lineares de obras.

Serão beneficiados, além das ruas do centro de Parintins, os bairros de Castanheira, Djard Vieira, Francesa, Itaúna II, João Novo, Palmares, Paulo Correa, Santa Clara, São Benedito, São José, União e Vitória Régia, com ações em mais de 100 ruas. Está prevista a realização de serviços de terraplanagem, pavimentação e sinalização das ruas. A pavimentação será feita com CBUQ (concreto betuminoso usinado a quente), que apresenta maior durabilidade.

Por meio de convênios firmados com o Governo do Amazonas, por meio da Seinfra, a prefeitura local também vai investir em ações de tapa buracos, na implantação de iluminação pública com luminárias do tipo LED, bem como na locação de equipamentos para a limpeza pública.

Também estão sendo reativados três outros convênios que preveem a realização de serviços de terraplanagem, pavimentação asfáltica, construção de escadaria em concreto estrutural armado e Praça de Alimentação, na orla da Lagoa da Francesa, no bairro Santa Clara. Além disso, está prevista a urbanização da orla do bairro da União, com terraplenagem, pavimentação asfáltica, drenagem superficial e calçadão com escadaria em concreto, dentre outras ações.

quarta-feira, 30 de maio de 2018

ENTREVISTA COM ALESSANDRA BRASILEIRO EX-CUNHÃ PORANGA DO BOI GARANTIDO


Caros leitores, sejam bem-vindos a mais uma entrevista, esta concedida a mim há exatos 8 anos, em maio de 2010 e publicado em minha coluna no site parintins.com trago até vocês um pouco da trajetória vitoriosa e polêmica da ex-cunhã-poranga do Garantido (1998-2001), Alessandra Brasileiro. Esbanjando simpatia e humildade, nos conta tudo sobre sua vida e bastidores do Festival.


Como você se tornou Cunhã-Poranga do Garantido?
"É uma longa história, minha família é do boi contrário, enquanto eu sou Garantido, na época comecei a fugir para ir ao boi, não sabia dançar e meus pais eram muito envolvidos do lado de lá, na época o presidente do boi era o José Walmir e um mês antes do festival foi até minha casa fazer um convite, na época tive medo mas aceitei e me apaixonei, minha família obviamente não gostou muito da idéia, mas meu pai acabou assinando a autorização na hora da entrada do bumbódromo, acabou que meu irmão e minha mãe se apaixonaram pelo Garantido também."

Qual foi sua maior emoção na arena?
"Essa é bem dificil de responder, sempre era entrar e sentir o rufar da batucada, isso me motivava e me mantia enlouquecida sem querer sair, o som cadenciado da batucada me inspirava, meu coração pulsava forte assim como o pulsar da batucada, eu via aquelas pessoas esperando a minha chegada, era muita cobrança mas valia muito a pena pois era tudo muito fantastico, o bom é que no final sempre recebia sorrisos e elogios."


O que acha do desempenho da atual Cunhã-Poranga Tatiane Barros?
"A considero muito empolgante na arena, cheia de garra e continua mantendo o item 9 campeão até hoje."

O que mudou na sua vida após sua passagem pelo Garantido?
"Antes eu não tinha fanatismo por nada, pouco conhecia da cultura, as lendas e danças do próprio lugar onde nasci, comecei a levantar bandeiras como da preservação, passei a dar mais valor ao trabalho em equipe, foram mudanças benéficas e necessárias."

O que aconteceu realmente entre verdades e mentiras entre você e o Presidente Fernando Henrique Cardoso?

"Muito se veiculou na mídia sobre o olhar dele e do então Governador Amazonino Mendes após uma apresentação dos bois em Parintins no ano 2000, mas a única verdade é que ele apenas me cumprimentou com um aperto de mão e disse que eu dançava muito bem, apenas isso, mas a foto deixava muito espaço pra comentários maldosos da imprensa, cheguei até a receber convites pra posar nua na Playboy e Sexy."


Fale um pouco sobre esses convites que recebeu das revistas.
"Na época logo após a foto cair na midia nacional e até internacional, recebi propostas das duas revistas (Playboy e Sexy) para posar nua, mas na época isso não me era atraente, eu era imatura e morava em uma cidade pequena e considerava que esse ato nada iria contribuir positivamente pro Festival de Parintins, até mesmo podendo aparentar que em Parintins o nu seria mais importante do que a manifestação cultural exuberante que existe lá, hoje sou uma pessoa bem mais resolvida do que naquela época, se esse convite me fosse feito antes do nascimento da minha filha eu até poderia aceitar (risos)."

Como você avalia as suas participações no Garantido?
"Nesse ponto não tenho modéstia, afinal foram quatro anos consecutivos de vitórias no item, quando entrava na arena era tomada pelo calor da galera e o rufar da batucada, era muito feliz e satisfeita, quando era item, o boi possuia uma estrutura mais precária, tanto no visual quanto no administrativo, me sentia responsável pelo conjunto da obra desde o desenho e concepção até confecção de alegorias e fantasias, sempre levei meu papel no boi muito a sério dentro e fora da arena."


O que sente ao ouvir a toada Rosa Vermelha ou alguma toada do item Cunhã-Poranga? Tem vontade de voltar?
"Sinto saudades dos tempos legais, mas não voltaria, dei minha contribuição a esse boi que amo e acredito que há garotas muito bonitas esperando apenas uma chance pra mostrar que podem ocupar esse lugar com garra e emoção."

E hoje em dia qual sua relação e da sua família com o boi? "Minha mãe Mônica Brasileiro é da comissão de ética e já foi diretora social, meu irmão Rodrigo Brasileiro é batuqueiro da linha de frente em Parintins, fiz amigos verdadeiros la dentro, permaneço perdidamente apaixonada pelo boi, minha filha Isabela tem duas opções, ou ela ama o Garantido ou odeia boi (risos)."